PANTANAL SUL

Veneno agrícola pode ser causa da morte de Onça monitorada e outros 17 animais


Por Pantanal Oficial 18/06/2021 sem comentários


Duas onças pintadas mortas e outros 17 animais – entre urubus, gavião carcará, cachorro-do-mato e centenas de moscas – foram fiscalizados por agentes do Ibama,  em conjunto com pesquisadores do Instituto Reprocon, (Reprodução Para Conservação) no dia de ontem (17), na região pantaneira de Corumbá.

A hipótese para a tragédia ambiental é a de uso indevido de veneno agrícola, ilegal no mercado brasileiro, e portanto, crime.

Onça em estágio avançado de putrefação; suspeita do crime é de envenenamento (Foto: Pedro Nacib/Reprocon)

Entre os felinos, estava um jaguar macho adulto de aproximadamente 140 quilos encontrado ao acaso no caminho para a localização da onça pintada “Sandro”, que até então recebia monitoramento via colar de radiotelemetria e GPS pelo Reprocon. Ambos não possuíam marcas de tiro, briga ou outros sinais de abatimento. A missão de busca pela coleira aconteceu no último fim de semana.

Conforme Pedro Nacib, 36 anos, pesquisador e médico veterinário do instituto, no início de maio o colar havia acusado a morte de Sandro – isso por meio de análise de padrões de movimentação da onça.

Entretanto, só foi possível ir presencialmente até o local no sábado do dia 12 de junho – um mês depois. Foi então que o outro felino não-monitorado pelo Reprocon, além de outros 17 animais, foram todos encontrados mortos.

Na ocasião, outros 17 animais também foram encontrados mortos, entre eles 14 urubus (Foto: Pedro Nacib/Reprocon)
Carcaça de cachorro-do-mato; local, estado e estágio de decomposição são característicos (Foto: Pedro Nacib/Reprocon)

“O colar traz informações muito importantes em relação ao comportamento da onça pintada, como hábitos de alimentação e reprodutivos, por exemplo. Ajuda a estudar e entender o por quê é que ocasionalmente o animal ataca o gado”, esclarece o pesquisador. Pedro complementa que o monitoramento permite mapear a chamada cluster zone, que nada mais é área onde a onça faz sua alimentação.

Notificados os órgãos responsáveis, a Polícia Federal entrou em contato para que a equipe do instituto retornasse ao local, desta vez na companhia do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis). Segundo análise dos agentes de fiscalização, a suspeita de uso de veneno ilegal proveniente da fronteira “é forte”.

“Caso seja comprovada essa hipótese, sem dúvida se trata de algo criminoso e cruel. Esse tipo de veneno pode deixar resíduos tanto na carcaça quanto no solo por pelo menos 6 meses – o que fica caracterizado pela maneira com que os animais morreram e foram encontrados. Quem fez isso sabia o que ocorreria com quem tivesse contato”, afirma Pedro.

Centenas de moscas foram encontradas mortas ao lado de boi, o que fortalece a suspeita (Foto: Pedro Nacib/Reprocon)

Na ocasião, foi feita a coleta de materiais biológicos para análise em laboratório pelos agentes. A propriedade rural onde todos os animais foram encontrados já foi notificada e responderá legalmente pelo ocorrido.

“A realidade é que tanto o agricultor quanto o pecuarista fazem parte de toda a camada de conservação ambiental. Hoje em dia, nós ambientalistas dialogamos com eles para levar conhecimento e informações, principalmente de como é possível continuar produzir e conservar ao mesmo tempo, de modo que a onça não se trate de um problema. Caso contrário, situações como essa continuarão acontecendo”, finaliza o médico veterinário.



Deixe um Comentário