PANTANAL SUL

No Pantanal, Corumbá concentra mais da metade dos focos de queimadas em todo o MS nas últimas 48h


Por Dayane Medina 14/09/2021 sem comentários


Divulgação

Dados do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), revelam que Corumbá contabilizou pouco mais de 50% dos focos de queimadas em Mato Grosso do Sul, nas últimas 48h. No Estado são 407 focos de calo, 213 deles na cidade pantaneira. 

Conforme o site Diário Corumbaense, as equipes que atuam na linha de frente do combate e monitoramento dos incêndios no Pantanal seguem os trabalhos, que também se estendem à área urbana da cidade, onde o fogo é registrado principalmente em vegetação seca e em terrenos baldios.

Ainda segundo o Inpe, nesses 14 dias de agosto, o Estado contabiliza 880 focos de calor, desse total, 444 foram registrados em Corumbá, o que faz o município liderar o ranking de cidades do País com maior número de queimadas só neste mês. Ao todo, em 2021, Corumbá tem 1.597 focos de calor. Já em todo Mato Grosso do Sul, os focos chegam a 5.371.

O comandante da Operação Hafesto, tenente-coronal bombeiro Leandro Moura Marzolla, disse que novos focos de incêndios estão surgindo na região pantaneira e o problema não deve acabar tão cedo.

“Surgindo todos os dias novos focos, problema de risco a comunidades da Vila Albuquerque e Porto Esperança. Estamos com atuação bem intensa, por exemplo, na fazenda Barro Preto, incêndio de grande proporção, agora pela manhã, na parte de cima do Pantanal, na Fazenda Aguapé e fazenda Santo Antônio, que fica a 80 km a leste da Serra do Amolar e 150 km de linha reta de Corumbá. Os trabalhos estão intensos, aumentou a equipe para combater incêndios florestais. E, onde estamos com 40 militares específicos para esse trabalho e também todas as nossas guarnições estão em campo”, disse o comandante.

Além disso, equipes dos bombeiros e Prevfogo, também se concentram em fazendas próximos a BR-262, onde área é consumida pelas chamas, chegando o fogo às margens da rodovia, com densa camada de fumaça, o que acaba por atrapalhar o tráfego pela área, com risco de acidentes.

Tem uma sugestão de pauta? Entre em contato com a nossa redação através do WhatsApp (67) 99615-4134



Deixe um Comentário